Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Sem receber medicamento, Semsa faz adequação no tratamento de Leishmaniose em Santarém

Sespa foi informada por ofício que o medicamento deve chegar até o fim do mês de fevereiro.

 
 -   /
/ /

A Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) está sem receber medicamentos para Leishmaniose e por isso fez adequação no tratamento de pacientes com a doença, em Santarém, no oeste do Pará. A responsabilidade do envio da medicação é do Governo Federal e o repasse deve ocorrer através da 9ª Regional da Secretaria de Estado de Saúde do Pará (Sespa).

Em um ofício expedido na sexta-feira (14) aos municípios atendidos pela Sespa, foi informado que o Ministério da Saúde já liberou a medicação e que a previsão é que até o fim do mês de fevereiro o medicamento chegue.

De acordo com a bióloga da Divisão de Vigilância em Saúde (Divisa), Nara Feitosa, mesmo com o não envio do medicamento pelo Governo Federal, o tratamento dos pacientes com a Leishmaniose está sendo garantido, tanto com a medicação, quanto com o acompanhamento do médico infectologista. Em Santarém, não tem nenhum paciente com pendência no atendimento.

"Para a pessoa receber essa medicação, você tem que passar com o médico, pois não podemos liberar o medicamento sem a prescrição, até porque o caso precisa de uma avaliação, pois pessoas cardíacas não podem receber, então tem que passar com o médico, para isso, temos aqui na Divisa, toda quarta-feira, os médicos infectologistas, que vem um, toda semana para atender esses pacientes. Atendem as pessoas para avaliação de primeira vez e fazem o acompanhamento até dar alta ambulatorial dos pacientes em tratamento", frisou.

No município, a média de atendimento por mês de pacientes positivos é de 16 pacientes tanto do município, quanto de outras cidades da região. A maioria das pessoas é do interior e que procuram diretamente a Divisa, para avaliação dos profissionais, para averiguar se estão com a doença. Passam pela triagem para identificar se é a doença e, em seguida, passam por os exames.

A Leishmaniose Tegumentar Americana, conhecida também como "ferida brava" é mais característica do interior, pois os hospedeiros são os animais silvestres, como tatu, anta, paca, preguiça e o vetor é diferente, pois é adaptável para área de mata. As pessoas infestadas são as que moram no interior na grande maioria dos casos, ou que saem para trabalhar na zona rural, região de garimpo, agricultores. Na área urbana, a Leishmaniose Visceral, conhecida como calazar, que atinge os órgãos internos, principalmente o fígado e baço.

A bióloga relatou ainda que a falta de envio do medicamento, Glucantime, não está prejudicando os atendimentos aos pacientes, pois os médicos tiveram que fazer adequações no tratamento. Desde o final de 2019 a falta da medicação, por isso os médicos tiveram que optar pelo segundo tratamento que também é embasado pelo manual que orienta sobre o tratamento.

"Mesmo com a falta do envio do medicamento, não só para Santarém, mas para todos os municípios da 9ª Regional, pois dependemos do envio dessa medicação, através do governo do Estado, que também necessita do envio via Ministério da Saúde. O intralesional, isso com os pacientes com LTA, com a utilização de uma quantidade menor do medicamento, uma ampola por aplicação, com três aplicações, a cada 15 dias. É o que está garantido o tratamento, mas que está quase em falta", explicou.

O tratamento convencional, dura de 20 a 30 dias, no caso da Tegumentar são 20 dias e do calazar são 30 dias, com aplicação endovenosa, com o número de ampolas de acordo com o peso, sendo que cada paciente usa de 40 a 60 ampolas, no caso de calazar, chega até 90 ampolas por tratamento.

Desde 2019, quando iniciou os atrasos no repasse dos medicamentos, que era liberado aos municípios mensalmente com o quantitativo de 1.500 ampolas, passando para trimestral, Santarém passou a receber 500 ampolas, de dois em dois meses. Desde então, os médicos optaram por realizar o tratamento intralesional, se não o município estaria como a maioria das cidades brasileiras, com uma lista de pacientes aguardando o medicamento.

A bióloga frisou ainda que todos os pacientes que são atendidos no ambulatório da Divisa estão sendo tratados, e, quando não podem ser tratados com o Glucantime, recebem as medicações de segunda escolha, que é a Pentamidina, Anfontericina B solicitadas via ofício à Sespa, sendo que nenhum paciente que passa pelo ambulatório sai sem o tratamento, todos são atendidos.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE