Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Conselho de Meio Ambiente de Santarém discute ações de combate às queimadas

Um novo encontro com a presença do MPPA deve ser realizado para definição de novas medidas de prevenção e não propagação das queimadas.

 
 -   /
/ /

Ações de combate às queimadas em Santarém, oeste do Pará, foram discutidas na manhã desta quinta-feira (19) por instituições que integram o Conselho Municipal de Meio Ambiente (CMMA). A reunião ocorreu no auditório do Centro Municipal de Informação e Educação Ambiental (Ciam).

Participaram do encontro, representantes da secretarias municipais de Meio Ambiente (Semma), Educação (Semed)/Parque da Cidade, Infraestrutura (Seminfra); Universidade do Estado do Pará (Uepa); Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa); 4? Grupamento de Bombeiros Militar (4? GBM); 1ª Companhia Independente de Policiamento Ambiental (1ª Cipamb), Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas); Federação das Organizações Quilombolas de Santarém (FOQS) e Sindicato Rural de Santarém (Sirsan).

O representante da FOQS, João Lira ressaltou a preocupação do fogo nas comunidades. Ele é morador de Murumuru, na região do planalto. “Em 2015, houve uma grande queimada que, inclusive, acabou atingindo a plantação de moradores, única fonte de renda de alguns moradores”, relatou.

Segundo a secretária de Meio Ambiente, Vânia Portela, a proposta de apresentação das iniciativas de combate ao fogo se deu a partir de solicitação dos órgãos que compõe o CMMA, tendo em vista a forte estiagem que atinge a região.

“Quando foi colocada a pauta pelo Conselho Municipal de Meio Ambiente, a gente teve a preocupação de buscar um inventário de todas as medidas que estamos tomando para combater esse mal, entre intervenções de educação ambiental e de fiscalização. Por conta da pandemia, tivemos que tomar outras medidas, a exemplo do I Festival de Paródias de Santarém, levando consciência ambiental”, destacou a secretária de Meio Ambiente.

Como resultado da reunião, novo encontro deve ser realizado juntamente com o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), demais instituições e organizações sociais ligadas à questão para a definição de novas medidas de prevenção e não propagação das queimadas.

Queimada é crime

Conforme a Lei Federal de Crimes Ambientais nº 9.605/1998, o criminoso está sujeito à prisão de 1 a 4 anos, além de multa que varia de R$ 5 mil a R$ 50 milhões de Reais.Visitas seguiram pelas ruas do bairro com maior número de registros de denúncias à Semma.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE