Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Indonésia aprova uso emergencial da CoronaVac e diz que vacina teve 65,3% de eficácia em testes no país

Dados preliminares são da última fase de testes. No Brasil, eficácia foi de 78% para casos leves e de 100% contra mortes, casos graves e internações.

 
 -   /
/ /

A Indonésia aprovou nesta segunda-feira (11) o uso emergencial da CoronaVac e anunciou que a vacina da farmacêutica chinesa Sinovac teve 65,3% de eficácia, segundo os resultados preliminares da última fase de testes do imunizante contra a Covid-19 no país.

"Esses resultados atendem aos requisitos da Organização Mundial da Saúde de um mínimo de eficácia de 50%", afirmou Penny K. Lukito, que chefia a agência reguladora de alimentos e medicamentos do país (equivalente à Anvisa no Brasil).

País mais afetado pela Covid-19 no sudeste da Ásia, com 836.718 casos confirmados e 24.343 mortes, a Indonésia comprou mais de 125 milhões de doses da CoronaVac e recebeu 3 milhões até o momento.

O ministro da Saúde indonésio, Budi Gunadi Sadikin, anunciou na semana passada que iniciará a imunização com a CoronaVac nesta quarta-feira (13) e que o presidente do país, Joko Widodo, será o primeiro cidadão a receber uma dose da vacina.

Testes no Brasil e na Turquia

A vacina também é testada no Brasil, em parceria com o instituto Butantan, e sua eficácia foi de 78% para casos leves e de 100% contra mortes, casos graves e internações nos voluntários vacinados que foram contaminados.

Na Turquia, a CoronaVac teve 91,25% de eficácia contra o novo coronavírus, também segundo dados preliminares divulgados no fim dezembro. Na época, o secretário estadual da Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, afirmou que a Sinovac "quer entender por que tivemos um resultado e, em outros países, outro".

  • Eficácia de 78% para casos leves da CoronaVac é excelente, avaliam especialistas
  • Cientistas criticam transparência, mas dizem que CoronaVac será valiosa contra a pandemia
  • VÍDEO mostra reação de equipe do Butantan ao saber da eficácia da CoronaVac; assista

A taxa de eficácia é um conceito que se aplica a vacinas em estudos e representa a proporção de redução de casos da doença contra a qual ela quer proteger entre o grupo vacinado comparado com o grupo não vacinado.

Na prática, se uma vacina tem 78% de eficácia para casos leves, isso significa dizer que 78% das pessoas que tomam a vacina ficam protegidas contra aquela doença. A taxa mínima recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) é de 50%.

O Butantan solicitou na quinta-feira (7) à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a aprovação do uso emergencial do imunizante no país.

Pessoa segura caixa da CoronaVac, vacina contra a Covid-19, em frente à sede do Instituto Butantan em São Paulo — Foto: Aloisio Mauricio/Estadão Conteúdo

Vacina de vírus inativado

A CoronaVac utiliza vírus inativados para induzir a resposta do sistema de defesa do corpo. Esta técnica usa vírus que foram expostos em laboratório a calor e produtos químicos para que se tornem incapazes de se reproduzir.

A vice-presidente do Instituto Sabin de Vacinas, Denise Garrett, explica que o vírus inativado induz uma resposta imune para todo o vírus - e não só para a proteína S, que é a que ele usa para entrar na célula.

"Você tem a produção de anticorpos para todas as proteínas na superfície do vírus. É como se diluísse a resposta imune - para isso, eles usam adjuvantes, nesse caso, o alumínio", afirma. Os adjuvantes servem para reforçar a indução da resposta imune gerada pela vacina.

Infográfico mostra como funciona uma vacina de vírus inativado — Foto: Arte G1

Comparação entre vacinas

O índice registrado pela CoronaVac no Brasil e na Indonésia é menor que os das vacinas desenvolvidas pelos laboratórios Pfizer e Moderna, que já foram aprovadas na União Europeia, nos Estados Unidos e em outros países. As vacinas, que usam a tecnologia de RNA mensageiro, alcançaram eficácias de 95% e 94%, respectivamente.

A microbiologista Natália Pasternak explica que já era esperado que a CoronaVac tivesse uma eficácia menor que as das outras vacinas, por ser feita com o vírus inativado.

"É completamente esperado. Uma vacina de vírus inativado dificilmente vai ter a mesma eficácia do que vacinas de RNA ou vacinas de adenovírus [vetor viral], que conseguem entrar na célula e imitar, de uma forma muito mais efetiva, a infecção natural. Elas acabam provocando uma resposta imune que é tanto de anticorpos como de resposta celular", explica.

"A vacina inativada não consegue provocar uma resposta tão completa. É esperado que ela tenha uma eficácia menor. A eficácia de 78% da CoronaVac, ao que tudo indica, é uma eficácia excelente e compatível com uma vacina de vírus inativado. Com uma boa campanha, vai ser uma ótima vacina para o Brasil", afirma.

O virologista Eduardo Flores, da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), no Rio Grande do Sul, concorda.

"Se essa vacina da CoronaVac conseguiu 78% de eficácia, é muito bom. Muito bom mesmo. É uma vacina cuja tecnologia é muito antiga, se conhece bem os efeitos colaterais, que são muito poucos. Eu acredito que essa é uma vacina que é uma importante ferramenta nessa luta contra o coronavírus", afirma Flores.

VÍDEOS: novidades sobre vacinas contra Covid-19

200 vídeos Secretário de Saúde de SP pede rapidez na aprovação na vacina Ministério da Saúde afirma que vacinação contra Covid será simultânea em todo o país Anvisa aceita documentação da Fiocruz, mas pede mais informações ao Butantan

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE