Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Líder republicano propõe que impeachment de Trump no Senado comece na quinta-feira

Mitch McConnell sugeriu que o processo tenha início no dia 28 de janeiro e que, a partir desta data, o ex-presidente tenha duas semanas para montar sua defesa. Democratas estão avaliando a proposta.

 
 -   /
/ /

O líder dos republicanos no Senado dos EUA, o senador Mitch McConnell, propôs nesta quinta-feira (20) que o segundo impeachment de Donald Trump seja analisado pela casa na próxima quinta, dia 28, e o ex-presidente tenha duas semanas para apresentar sua defesa.

Em comunicado oficial, McConnell disse que enviou a proposta para Chuck Schumer, líder dos democratas. Nela, ele sugere que o processo (entenda os próximos passos aqui) tenha início em 28 de janeiro. A partir desta data, os dois lados teriam 14 dias para montar suas defesas, a favor do impeachment e, no caso de Trump, contra ele.

McConnell, que declarou dias atrás que Trump incitou a invasão ao Capitólio, afirmou que em "momentos de fortes paixões políticas", os senadores republicanos acreditam que é necessário não permitir que um "processo incompleto" prejudique Trump, o Senado e a presidência.

  • 'Voltaremos de alguma forma', diz Trump
  • SANDRA COHEN: Sombra de Trump pairou sobre a posse de Biden
  • Facebook mantém conta de Trump suspensa

À Reuters, um porta-voz de Schumer confirmou que a proposta foi recebida e que ela será discutida com McConnell. A presidente da Câmara de Representantes, Nancy Pelosi, informou na quinta que não definiu uma data para encaminhar o pedido de impeachment ao Senado, o que daria início ao processo. Ela disse apenas que "será em breve".

Ainda segundo a Reuters, Trump contratou o advogado Butch Bowers para defendê-lo no processo. Para que o impeachment seja aprovado, dois terços do Senado devem votar pelo "sim".

VÍDEOS: a invasão ao Capitólio

63 vídeos VÍDEO: Imagens mostram momento em que mulher é baleada em invasão ao Capitólio, nos EUA Invasão ao Congresso americano também repercutiu entres as autoridades brasileiras Líderes mundiais condenam ataque ao Congresso americano incentivado por Trump

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE