Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Venezuela expulsa embaixadora da União Europeia e dá 72 horas para ela deixar o país

No começo da semana, União Europeia anunciou que iria aplicar sanções a 19 dirigentes do chavismo. Parlamento do país, então, reagiu e pediu a expulsão da embaixadora. Governo a declarou persona non grata e a expulsou.

 
 -   /
/ /

A Venezuela declarou nesta quarta-feira (24) que Isabel Brilhante, a embaixadora da União Europeia em Caracas, é persona non grata e a expulsou do território. O governo venezuelano afirmou que ela tem 72 horas para deixar o país.

A expulsão foi anunciada pelo ministro das Relações Exteriores, Jorge Arreaza. Ele falou com Brilhante e, em seguida, deu uma entrevista coletiva.

ONU pede fim de sanções à Venezuela ONU pede fim de sanções à Venezuela 1 min

ONU pede fim de sanções à Venezuela

window.PLAYER_AB_ENV = "prod"

A União Europeia anunciou novas sanções ao país na segunda-feira (22). Foram atingidas 19 pessoas na última rodada de sanções. No total, são 55 venezuelanos próximos do presidente Nicolás Maduro punidos pela União Europeia.

A decisão afeta, entre outros, o comandante de polícia Remigio Ceballos, o governador do estado de Zulia, Omar José Prieto, a presidente do Conselho Nacional Eleitoral, Indira Alfonzo, e dois deputados da Assembleia Nacional.

"As pessoas adicionadas à lista são responsáveis, em particular, por minar os direitos eleitorais da oposição e o funcionamento democrático da Assembleia Nacional, e por graves violações dos direitos humanos e restrições das liberdades fundamentais", afirmaram os ministros das Relações Exteriores da União Europeia, em um comunicado.

Em 25 de janeiro, os ministros já haviam mencionado que o bloco estava disposto a adotar novas "medidas restritivas" contra dirigentes de governo por "violações graves aos direitos humanos". Por este motivo, "em vista da grave situação que persiste na Venezuela", concluíram que "19 nomes devem ser incluídos na lista de pessoas físicas e jurídicas, entidades e organismos submetidos a medidas restritivas".

Reação da Venezuela

No dia seguinte, o Parlamento da Venezuela, controlado pelo chavismo, pediu ao governo de Nicolás Maduro que declarasse Brilhante 'persona non grata' e a expulsasse.

O Parlamento passou a ser controlado pelo chavismo depois das eleições de 6 de dezembro, que boicotadas pela oposição e classificadas como fraude pelos Estados Unidos, União Europeia e vários países da América Latina.

A votação deu ao partido no poder e seus aliados 256 dos 277 assentos no Parlamento.

Expulsa de novo

Essa não foi a primeira vez que o governo da Venezuela classifica Brilhante como persona non grata e pede para que ela deixe o país.

Em julho de 2020, após a União Europeia anunciar um outro pacote de sanções, Maduro já havia dado 72 horas para que ela deixasse o país.

No entanto, quando esse prazo expirou, o governo socialista recuou, pedindo "gestos" ao bloco em troca.

Veja os vídeos mais assistidos do G1

200 vídeos Nasa divulga vídeo de pouso do robô Perseverance em Marte Ovelha resgatada na Austrália produz 35 kg de lã Delegada trocava favores e falava informalmente com Padre Robson: 'Oi, sumido

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE