Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Quantidade de mulheres na mineração cresce em 2021

Relatório de Progresso do Plano de Ação para o Avanço das Mulheres na Indústria de Mineração mostra que 15% da força de trabalho na indústria mineral é composta por mulheres, um crescimento de 2% na comparação com 2020

 
Realizado pela Women in Mining Brasil (WIM Brasil), o primeiro Relatório de Progresso do Plano de Ação para o Avanço das Mulheres na Indústria de Mineração mostra que 15% da força de trabalho na indústria mineral é composta por mulheres, um crescimento de 2% na comparação com 2020. Além disso, a presença feminina em Conselhos Executivos está em 11%, enquanto em Conselhos Administrativos, esse índice é de 16%. 

O relatório teve a coordenação e construção da consultoria EY e conta com dados colhidos em janeiro de 2021 junto a 16 empresas signatárias do WIM Brasil, movimento que atualmente reúne 26 integrantes. O levantamento avalia quatro pilares: Estratégia e Oportunidades de Carreira, Ética e Autonomia, Desenvolvimento e Capacitação, Impacto Social. 

“Este é um processo de amadurecimento. As mulheres representam mais de 50% dos cérebros e talentos do país, mas ainda não alcançam um quinto de representação nas empresas mineradoras, sendo que em cargos de liderança os números são mais tímidos. O WIM enxerga que há avanços e iniciativas em curso que são exemplos de inclusão e diversidade, mas precisamos caminhar rumo a um cenário de maior representatividade no setor”, analisa a presidente do WIM Brasil, Patrícia Procópio.

De março de 2020 a setembro de 2021, houve crescimento de 2 para 26 integrantes na adesão de empresas ao WIM Brasil, o que demonstra um crescimento na valorização da agenda de Diversidade, Equidade e Igualdade (DE&I) nas companhias. No painel da Exposibram onde o relatório foi apresentado, quatro delas estiveram representadas: RHI Magnesita, Anglo American, Kinross e Jaguar Mining, oportunidade em que apresentaram políticas e ações voltadas para DE&I. 

Projeto proíbe bloqueio de recursos para fiscalizar mineração

Fórum Sul-americano debate tendências da mineração

SGB-CPRM concede cessão de Miriri à BF Mineração

Segundo o relatório, 88% dos respondentes declararam que comunicam o compromisso com DE&I; 69% possuem programa de Diversidade e Inclusão; e 63% destacaram um executivo responsável por DE&I. Por outro lado, 50% delas não integram a pauta de DE&I a políticas e processos organizacionais e 56% não possuem comitê ou orçamento para DE&I, além de 49% não reportarem indicadores de Ética e Autonomia.  

“Mais do que processos, é necessário avançar também para as práticas, com orçamento, equipes e metas definidas, como em qualquer outra prioridade estratégica da empresa. Existe um compromisso público das empresas, mas detectamos que esse compromisso, muitas vezes, ainda não está integrado à governança”, avalia Jamile Cruz, diretora do WIM Brasil e especialista na área de DE&I que mediou o painel na Exposibram. 

O documento e os próprios participantes do painel destacaram a importância da mensuração de resultados, ferramenta indispensável para se atestar a maturidade das organizações e para se encontrar novos caminhos para o aprimoramento da agenda DE&I dentro das empresas. 

“Na RHI Magnesita, estamos nesse caminho. Realizamos um censo de diversidade que vai permitir entender o nosso público, o que resultará em propostas de ações mais aderentes. Não existem saltos nessa jornada. Ela é construída passo a passo, sendo que nosso compromisso é chegar a 2025 com 33% de mulheres em cargos seniores dentro da companhia”, ressalta o diretor de Compras América do Sul da RHI Magnesita, Marcus Vinícius Magalhães, uma das lideranças à frente do Comitê de Diversidade e Inclusão da empresa.
 
Na Kinross, o censo já é uma ferramenta consolidada e o público interno está mapeado. “Saímos do zero para um momento em que temos um censo de diversidade. Fizemos esse trabalho para entender quem nós éramos e sugiro que seja feito por todas as empresas. Temos metas definidas a partir dos resultados e uma delas é aumentar em 25% a força de trabalho feminino até 2030”, expõe a diretora de Relações Governamentais, Responsabilidade Social, Comunicação e Relações Comunitárias da mineradora.

O WIM Brasil afirma que um dos gargalos apontados pelo relatório está nas oportunidades de desenvolvimento de carreira para as mulheres. Conforme mostra o relatório, apenas um terço das contratações em nível de entrada e gerência é ocupado por mulheres. Segundo o trabalho, somente 18% dos participantes de programas de desenvolvimento de lideranças são do público feminino, ao passo que 31% das contratações para cargos de comando envolvem esse gênero. “É importante garantir a equidade de participação em programas de preparação de novos líderes. Assim, mulheres estarão aptas a serem consideradas para funções de liderança”, defende a presidente do WIM Brasil, Patrícia Procópio.

A diretora jurídica da Anglo American, Carolina Lobato, citou a importância de a empresa ter sido liderada por uma mulher globalmente, fato que acelerou o movimento de mudança dentro da companhia.  

“Hoje a Anglo está mais madura nessas discussões em termos de envolvimento da liderança e incorporação desses valores no dia a dia e nas estratégias de negócio. Temos quase 80% do público feminino preenchendo os planos de carreira e antes esse índice era de 59%”, salienta. Carolina Lobato acrescenta que a meta da empresa é chegar a 33% de força de trabalho feminina até 2033. 

Para Eric Duarte, vice-presidente de operações na Jaguar Mining, o caminho é esse. “Percebemos, a partir de avaliações internas, que as mulheres em geral trazem mais resultados positivos, planejam melhor e fazem entregas mais consistentes. Nosso próximo passo, além de seguir as metas estabelecidas pelo IBRAM, é alcançar 34% de mulheres na companhia até 2030”, reforça.
 
O relatório do WIM Brasil ainda apresenta um sumário dos impactos positivos nos negócios, publicados em estudos da Catalyst e outras organizações que focam no tema, os quais comprovam que a diversidade de gênero em equipes executivas têm 25% a mais de probabilidade de alcançar maior rentabilidade. Continuando, organizações com cultura inclusiva tem 57% mais chances de melhorar a sua reputação e, por fim, equipes diversas tomam melhores decisões em 87% dos casos, aspecto responsável por 95% da performance do negócio. O download do relatório completo pode ser feito pelo link https://wimbrasil.org/indicadores-wim-brasil/
 

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE